Archive

Archive for the ‘Musica’ Category

Dream Theater – Porto Alegre 17/03/2010

março 17, 2010 Deixe um comentário

Pois é, o show dos mestres do Dream Theater foi ontem. Eu sei que não precisa dizer, mas o show foi real muito fo#$! Eu esperava algo muito afude, mas foi muito mais do que eu esperava. Sem contar também que teve a abertura das bandas Richard Powell e Bigelf, que quebraram tudo e animaram o pessoal pro show principal.

Myung_Petrucci_PortoAlegre

Realmente não tenho muitas palavras pra descrever o show, então deixo o setlist pra vocês ai:

  • A Nightmare To Remember
  • A Rite Of Passage
  • Hollow Years
  • Constant Motion – Keyboard Solo
  • Erotomania
  • Voices
  • The Spirit Carries On
  • As I Am
  • Pull Me Under / Metropolis Pt. 1
  • Encore: The Count Of Tuscany

John_Petrucci_PortoAlegre

Agora é só esperar o show do ZZ Top por aqui, pq o do Megadeath eu não vou NEM pagando hehe See ya!

P.S.: um agradecimento especial ao baterista do Richard Powell, Jean Montelli!

Metallica em Porto Alegre

janeiro 29, 2010 Deixe um comentário

Sem palavras pra descrever esse show! Na verdade não foi um show, foi mais um espetáculo animal de musica, luzes e pirotécnico, com fogos de artificio, bombinhas, e tudo que se tem direito.

JH_PORTOALEGRE

James Hetfield em Porto Alegre

Pra mostrar o quão bom foi, eu tentei gravar do meu celular umas musicas, mas como já era de se esperar, o som estava muito alto e ficou tudo distorcido. De qualquer forma, segue para vocês o que eu gravei:

The End Of The Line

Sad But True

Die, Die My Darling / Phantom Lord

Seek and Destroy

Horns up!!! See ya!
[Foto: Zero Hora]

Trilogia das cores do King Crimson

janeiro 6, 2010 Deixe um comentário

No terceiro ano do segundo grau, eu tive um professor de redação (graaaaande Sérgio) que curtia muito musica progressiva, assim como eu. Depois das aulas normalmente a gente ficava conversando sobre musica. Um certo dia ele me perguntou se eu conhecia a banda King Crimson, e eu respondi que não, então ele falou: “Se tu não conhece King Crimson, não sabe o que que é musica progressiva”. Na outra aula ele me passou um CD gravado por ele com todas as faixas de Beat. Quando eu ouvi, achei que tinha algum problema, por que tudo era muito errado mas se encaixava perfeitamente. Acho que após a segunda vez que o CD acabou, eu já tava viciado na banda. Aí então fui atras de toda discografia, o que conta com apenas 34 CDs!

Um certo dia eu li um artigo sobre a trilogia das cores do King Crimson. Essa trilogia fala sobre três CDs: Discipline (Vermelho), Beat (Azul) e Three of a perfect pair (Amarelo). Até onde eu sei, não há uma ligação de histórias ou acontecimentos, mas é uma época de testes de sons novos da banda. Segue o link para a apreciação de vocês!

_______________________________________________________________________________

Discipline:

Discipline
Ano: 1981
Musicas:

  • 01. Elephant Talk
  • 02. Frame by frame
  • 03. Matte Kudasai
  • 04. Indiscipline
  • 05. Thela Hun Ginjeet
  • 06. The Sheltering Sky
  • 07. Discipline

Download Megaupload

_______________________________________________________________________________

Beat:

Beat
Ano: 1982
Musicas:

  • 01. Neal and Jack and Me
  • 02. Heartbeat
  • 03. Sartori in Tanger
  • 04. Waiting Man
  • 05. Neurotica
  • 06. Two Hands
  • 07. The Howler
  • 08. Requiem

Download Megaupload

_______________________________________________________________________________

Three of a perfect pair:

Three_of_a_Perfect_Pair
Ano: 1984
Musicas:

  • 01. Three of Perfect Pair
  • 02. Model Man
  • 03. Sleepless
  • 04. Man With Open Heart
  • 05. Nuages
  • 06. Industry
  • 07. Dig Me
  • 08. No Warning
  • 09. Lark’s Tongues in Aspic Part III

Download Megaupload

Play That Funky Music White Boy!

dezembro 20, 2009 Deixe um comentário

Esse fim de semana, jogando Guitar Hero 5 (que eu escrevei mais depois), pensei em fazer uma coisa divertida: um cover de uma musica em todos os instrumentos e pensei em uma musica bem legal, Play that funky music white boy do Wild Cherry. O resultado não ficou dos melhores, mas já ficou ouvível. O legal é que ficou uma base boa para guitarristas que gostam de fazer Jams com mp3. Depois irei arrumar mais tempo e vou dar um jeito no restante. Por enquanto, fica a música para quem quiser ouvir:


Download para os Jameiros

Ingressos do Metallica

dezembro 3, 2009 Deixe um comentário

Nossa, essa noite foi uma viagem total! As 00:01hr de 3 de Dezembro abria a bilheteria do show do Metallica de Porto Alegre no site da TickeMaster. Para ter noção, olha o q o Cássio, um amigo meu, falou antes de abrir ontem: “To sentindo o DDoS que o site da Ticketmaster vai levar dos gaúchos daqui a pouco pqp…”

Eu fiquei desde as 22:30 de ontem na frente do computador só esperando o site entra no ar. Mal o calendário virou o dia, eu já tava atualizando a pagina. Entrou a mensagem de comprar o ingresso, selecionei o que queria, input de dados e pronto. Dai veio a bizarrisse: o site da TicketMaster caiu (fail). O mais engraçado foi que depois o twitter loto de gente falando que não consegui compra ingressos, afinal o primeiro lote acabo em 9 minutos! Depois de um tempo, a seção de “Meus Pedidos” do site volto ao ar e lá eu pude confirmar a compra. No final deu tudo certo e eu só to esperando pra chega a hora.

Twitter_Metallica

Jamie Cullum – The Pursuit review

novembro 25, 2009 2 comentários
Jamie-Cullum-The-Pursuit

The Pursuit

Na época que o Jamie Cullum lançou o segundo CD, Twentysomething, eu já tava começando a fica fã do cara mas ainda fico impressionado com a velocidade da evolução da musica dele! No dia 9 de novembro ele lançou um novo CD, The Pursuit, que eu vo dá uma comentada por cima aqui. Esse é o SetList:

  • 01. Just One Of Those Things (C. Porter)
  • 02. I’m All Over It
  • 03. Wheels
  • 04. If I Ruled The World
  • 05. You And Me Are Gone
  • 06. Don’t Stop The Music (Rihanna)
  • 07. Love Ain’t Gonna Let You Down
  • 08. Mixtape
  • 09. I Think I Love
  • 10. We Run Things
  • 11. Not While I’m Around
  • 12. Music Is Through

Primeiro de tudo, minha espectativa já era bem alta, afinal o último CD foi lançado em 2005 (Catching Tales) e, para mim, deixou a desejar um pouco e desde o inicio do ano ele já falava no twitter muito sobre o CD e como ele tava saindo muito bom. Infelizmente o CD não tá nem um pouco disseminado na internet.

O CD começa impecável, decai um pouco, mas continua bom. A faixa inicial, Just One Of Those Things, é um tipo de musica pop com um toque gigante de Jazz e um ambiente sombrio. Apesar de ser uma musica cover do C. Porter, os arranjos e a voz do Jamie ficaram perfeitas na musica. Outro cover que tem no CD, que parece ser muito bizarro mas é bom até, é Don’t Stop The Music da Rihanna. No inicio nem parece a mesma musica, mas no momento que entra a voz e o baixo, fica bem característico. O mais legal foi leva a musica de um nível totalmente dance para uma coisa mais Jazz dentro do power trio básico: piano, baixo e bateria.

Dentro das musicas do Jamie, dá pra se notar algum tipo de linha que ele seguiu, o que não me deixa muito feliz. Dá também pra perceber uma linha tênue diferenciando musicas “tristes” das “felizes”, dividindo o CD em dois. A primeira parte, as musicas tristes, inclui as faixas If I Ruled The World, Love Ain’t Gonna Let You Down, I Think I Love e Not While I’m Around, sendo que dessas, a melhor para mim é a Not While I’m Around porque é a unica que não fica ao ponto depressivo e tem uma letra muito boa. Já a segunda parte de musicas temos I’m All Over It, Wheels, You And Me Are Gone, Mixtape, We Run Things e Music Is Through. Neste momento o Jamie botou uma coisa muito estranha pra que gosta do estilo de jazz dele, uma musica com bateria eletronica e com um clima bem dance. É realmente estranho ouvir We Run Things perto de musicas como Old Devil Moon do CD Twentysomething. O restante pode ser considerado musicas felizes, mas não tão emocionantes como os CD’s anteriores. Dentro dessas, Music Is Through fica como melhor disparado. Os arranjos dela são meio estranho, um tipo de sintetizador faz um riff curto a musica toda, a levada da bateria me passa uma idéia de progressivo e o refrão da musica é completamente dance, mas continua um rock-jazz louco que o Jamie sempre foi fã.

Em geral o CD é bom, mas não espetacular como os Twentysomethin e Pointless Nostalgic. Lembro também que Jamie Cullum não é Jazz puro, muito menos Rock. Em um DVD ele até comenta que o rock era algo que fazia ele ficar sem sentido, e o Jazz era algo muito arrumadinho para ele. Então ele conclui que na verdade ele é o protituidor do Jazz, e que algo que começou em bebidas, dança e mulheres voltará para bebidas, dança e mulheres…

Update: ando vendo uma grande quantidade de visualizações desse post e acho eu que deve ser pessoas procurando o link para download, logo, segue o link para vocês:

DOWNLOAD via MEGAUPLOAD

Guitar Hero Metallica – Review

outubro 5, 2009 Deixe um comentário

Na semana passada fiz meu pedido do Guitar Hero Metallica, o qual eu já esperava a muito tempo pra comprar. Quando o jogo chego, foi uma felicidade só né. Me senti uma criança, claro que um pouco maior, mais metaleira e com um poder de destruição um pouco mais avantajado, mas são apenas detalhes.

Antes de comprar o jogo, procurei alguns reviews na internet, como sempre faço, só pra saber o que eu estou comprando. Nestes reviews eu li muito a frase “o jogo mais dificil da série Guitar Hero” e sempre pensava “jura né, maricas”. Depois de jogar (e muito) eu concluo, é o jogo mais dificil da série! Infelizmente só tinha os periféricos do Rock Band para jogar, mas felizmente eles são compatíveis. Foi realmente dificil se acostumar, afinal a bateria do GH possui pratos que são usado pra algumas coisas especiais no jogo (a bateria do RB não possui) e também a disposição dos pads são diferentes, mas nada que um mestre como eu não se vire!

Em questão de gráficos, o Rock Band mata a pau. No jogo, tirando o Rob Trujillo (baixo), todos os outros integrantes do jogo parecemestar inchados e com problemas nas mãos. Até é engraçado. Tirando os jogadores com problemas linfáticos, os movimentos dos integrantes são perfeitos! E quando eu digo perfeito, eu falo em movimentos de palhetadas, movimentação em palco, solos, performance especiais em musicas, batidas em pratos, etc. exatamentes iguais ao Metallica ao vivo! Pra alguns isso não é nada, mas para um (mega) fã de metallica, isso é diversão pura!

Guitar Hero Metallica

Guitar Hero Metallica

Além dos integrantes da banda, também se dá para jogar com Lemmy (baixo – Motorhead) e King Diamon (vocal – Mercyful Fate), o que não é muita coisa, mas também um pouco empolgante. Comparando ao Rock Band (de novo), o estilo de jogo de carreira é muito mais divertido. Enquando no Rock Band 2 é necessário fazer show de musicas separadas e show de set lists completos, no Guitar Hero Metallica o jogador vai passando por palcos famosos do Metallica (como o da tour Snake Pit) tendo que fazer um numero certo de estrelas nas musicas para habilitar novos palcos, ou seja, o jogador escolhe quais musicas tocar e depende da performance pra evoluir, e não de simplesmente tocar a musica.

As unicas falhas, para mim, foram 2 apenas: 1) Não adicionar todo cd Death Magnetic no jogo, aproveitando o seu lançamento recente; 2) Não implementar os integrantes da banda no jogo com épocas diferentes, assim como o RB Beatles fez. Seria muito interessante jogar com a banda cabeluda e esfarrapada no meio dos anos 80 no palco “And Justice For All…” tocando musicas daquela tour ainda com os baixistas Jason Newsted (atualmente Voivod) ou então nos inicio dos anos 80 na época “Kill’em all” ainda com o baixista Cliff Burton (falecido em 86) em pequenos pubs americanos… mas enquanto isso não acontece, continuo feliz com o jogo assim. See ya, folks and horns up!

Próximo Review: Rock Band Beatles (até o fim do mês)